Ciência e Espiritualidade: Amar como Jesus amou provoca mudanças neuronais positivas no cérebro humano

0
315

Por que pessoas normais fazem o mal? Essa pergunta me levou a conhecer e estudar o brilhante trabalho científico de Simon Baron-Cohen, professor de Psicopatologia do desenvolvimento e diretor do Centro de pesquisas sobre Autismo da Universidade de Cambridge. Em seu livro The Science of evil, sem edição no Brasil, Simon busca encontrar a origem da crueldade humana e explica o poder e influência da empatia com base em 300 pesquisas na área em mais de 80 universidades. A ciência do mal, traduzido para o português é um livro maravilhoso com linguagem clara. As pesquisas mostram que fazer o mal pode não ser uma questão de liberdade, mas, o cérebro de quem pratica crueldades apresenta uma deficiência.

Amo estudar o cérebro humano e fiquei imensamente surpresa e feliz ao descobrir que ele composto por uma célula chamada Neurônio. Cada cérebro possui em torno de 100 bilhões de neurônios e cada neurônio faz em média de 1 mil a 10 mil ligações neuronais ao mesmo tempo. Se você, neste momento está ouvindo bem, falando bem, se movimentando bem, vendo bem e principalmente lendo e entendendo perfeitamente o que diz este texto é porque provavelmente o seu próprio cérebro está funcionando direitinho e possivelmente a área do seu córtex pré-frontal esteja “acendendo” agora. Obter esta informação sobre este órgão de magnitude incrível e digno de ser estudado faz com que sejamos um pouco mais humildes e gratos por possuir tudo isso no próprio corpo.

Há uma diferença que se destaca entre seres humanos e robôs: a existência de sentimentos, emoções e reações diversas. O cérebro humano possui o “circuito da empatia” que envolve cerca de 10 regiões cerebrais que são ativadas durante o processo de reconhecimento “de si mesmo no outro”. Há duas partes específicas que faz com que o cérebro identifique rostos e o reconhecimento das emoções no outro (espelhamento). Quando este circuito neuronal não é acionado, a empatia não acontece. No caso dos psicopatas, a empatia é zero. Mas, o que faz com que pessoas normais pratiquem a maldade mesmo possuindo um pouco grau de empatia? Será que nós temos tendência a sermos pessoas cruéis? Será que somos tão bonzinhos como pensamos?

A empatia é mais conhecida como a capacidade de se colocar no lugar do outro e Simon descobriu com o auxílio de vários cientistas que para alguém ser considerado empático deve reconhecer no mínimo 412 emoções e sentimentos nas expressões faciais das pessoas em 3 raças e em 2 sexos. Muito difícil, não é mesmo? Mas, não é impossível. Existe um hormônio produzido no hipotálamo e desempenha um importante papel nas funções reprodutivas femininas, desde a atividade sexual até o parto e amamentação. Os níveis do hormônio tendem a ser maiores durante experiências como relação com outras pessoas e isso afeta nosso comportamento, a criação de memórias, o reconhecimento e outras funções sociais. Portanto, todos podemos ser pessoas melhores apenas nos esforçando para isso.

E no cenário atual o que predomina mais, o mal ou o bem? Certamente, temos consciência de que já vivemos tempos mais horríveis, porém, a violência ainda continua em ato nível desestruturando o próprio ser humano de suas relações sociais. Podemos então afirmar de acordo com os estudos científicos do professor Simon, que quanto mais uma pessoa propaga a maldade mais tendência ela tem de possuir ou desenvolver a deficiência cerebral, conhecida como coisificação. A violência tem aumentado pelo fato das pessoas esquecerem que são todos seres humanos e uns acham que simplesmente estão lidando com objetos ou melhor, coisas. A crueldade acontece quando sentimentos e emoções são ignorados e consequentemente nenhuma ou pouca reação há entre os envolvidos. Sendo assim, a parte do cérebro responsável pelo espelhamento das emoções está afetada ou não existe.

Se uma pessoa ignora a outra apenas pelas roupas que esta veste, pode-se perceber que a ignorante coisificou a outra, pois, roupas não possuem emoções e esta área do cérebro automaticamente é desativada. Outro caso são de pessoas extremamente materialistas que sentem muita dor emocional quando um bem quebra ou lhe é furtado. A explicação está novamente na coisificação. Quanto mais atenção é dado às coisas e não às pessoas mais violentos e doentes temos tendência a ser.

Mas, por que pessoas praticam a maldade mesmo sabendo que isso é ruim? E então, encontro nos livros que compõem a base da Doutrina Espírita codificada pelo emérito pedagogo francês Hippolyte Léon Denizard Rivail, o eterno discípulo de Pestalozzi, o qual ficou conhecido pelo pseudônimo de Allan Kardec perguntas, respostas e reflexões os quais são feitas pelo professor e pelos Espíritos. Ao analisar quase 6 livros com conteúdos originais do mundo espiritual durante 5 anos, obtive o conhecimento de que a maldade é fruto da ignorância humana, pois, Deus não criou o mal e as pessoas não nascem más. Elas tornam-se e o ambiente em que vivem influencia na construção da subjetividade de cada indivíduo.

Então, como a Espiritualidade de mãos dadas com a Ciência podem aliviar o nosso sofrimento? A doutrina dos Espíritos na questão 625 do Livro dos Espíritos responde que Jesus, o Cristo é o tipo mais perfeito de modelo e guia existente sobre a Terra. Então, o que podemos encontrar na personalidade de Jesus que faça com que nos tornemos mais bondosos e empáticos?

O que uma pessoa que não é psicopata e mesmo assim faz o mal ignora é que quanto menos oxitocina ela produz no próprio cérebro mais células do próprio organismo serão mortas, pois, o Cortisol, o hormônio do estresse será produzido em alto nível tomando o lugar do hormônio do amor na corrente sanguínea gerando ao longo do tempo as famosas doenças psicossomáticas. Então, isso é ignorância ou não? Mas, nada é tão simples como parece. Além de gerar extrema dor emocional, a mágoa, por exemplo, não aparece nos exames médicos e consequentemente se a pessoa não for avisada ela adoecerá. O que esta pessoa provavelmente também ignora é que o Sistema Nervoso Central já possui o papel de avisar o corpo quando está em perigo. Quando este estado atinge um nível avançado serão prescritos medicamentos antidepressivos para o alívio dos sintomas. Então, o que falta para esta pessoa para que ela tome consciência do seu estado atual? Será que sozinha ela consegue alcançar a cura?

Novamente, a doutrina dos Espíritos composta pela tríade ciência, filosofia e religião apresenta então a dor como uma ferramenta de auxílio. Os males que todo ser humano enfrenta faz com que ele desenvolva o instinto de conservação o qual todos nós temos origem, ou seja, perdoar as mágoas, desenvolver a empatia e diminuir o egoísmo,
aumentar a inteligência e diminuir a ignorância. Sendo assim, ao estudar os passos de Cristo e seus ensinamentos encontrei no livro O Evangelho Segundo o Espiritismo no capítulo VI, um fragmento de sua fala enquanto ele viveu sobre a Terra. “Vinde a mim, todos vós que sofreis e que estais sobrecarregados e eu vos aliviarei. Tomai meu jugo sobre vós, e aprendei de mim que sou brando e humilde de coração, e encontrareis o repouso de vossas almas, porque meu jugo é suave e meu fardo é leve.” Está escrito também na bíblia em Mateus 11:28 a 30. E a pergunta que faço é: Será que Jesus mentiu?

De acordo com a Bíblia, livro histórico e sagrado para muitos cristãos a missão do Mestre foi a de pregar o amor e acima de tudo, o perdão. Existem milhares de religiões e divindades no mundo, não podemos negar, porém, se podemos utilizar os meios mais próximos que possuímos para promover o bem estar da sociedade ou de um indivíduo por que não tentar?

Se uma pessoa ignorante e má busca tentar fazer o que Jesus fez sobre a Terra, ela não ignorará o fato de que o amor o qual Jesus falava tinha tudo a ver com o próprio hormônio que produzimos no próprio cérebro: a Oxitocina. Portanto, podemos notar que o simples “Vinde a mim” faz com que pessoas desenvolvam a humildade e a vontade e isso faz com que elas se envolvam com atividades de busca espiritual e estas produzem no próprio cérebro várias alterações neuronais, inclusive, o aumento da empatia e a diminuição de dor emocional e o não-aparecimento de doenças psicossomáticas e quando estas aparecem o sofrimento é claramente diferente da pessoa que não possui um líder espiritual ou uma religião.

Podemos concluir então, que ciência e espiritualidade estiveram o tempo todo unidas, mas, como seres humanos imperfeitos e em processo de desenvolvimento sempre optamos em não dar o passo maior que a perna, mas, tempos mudam e ciências novas aparecem para nos dizer que uma pessoa pode ser boa sem uma religião, mas, seu grau de empatia será baixo. Usar a racionalidade faz um indivíduo buscar aumentar sua inteligência através espiritualidade e ela pode encontrar aonde seu modelo se encontra, no caso deste texto, o líder espiritual Jesus também disse em Mateus 18:20 “Porque, onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, aí estou eu no meio deles.”. Mais uma vez, comprovamos que não são coisas e nem lugares específicos que trazem felicidade ao ser humano, mas, sim, relações sociais saudáveis e podemos chegar num nível avançado de bondade basta ativarmos em nosso cérebro o hormônio do amor e a vontade que então o bem claramente se manifestará.

 

Apoiadores:
COMPARTILHAR
Artigo anteriorPrefeito assina ordem de início para conclusão da pavimentação da Av. América
Próximo artigoMistura de cores e música eletrônica animou a Fenasoja
Daniela Machado da Luz
Me chamo Daniela Machado da Luz e é com muita alegria que faço essa parceria com o Portal Plural. Vos digo, que aos 15 anos de idade, eu achava ser alguém que sabia algo. Aos 18, vi que não sabia muito, só conseguia ver que minha existência se igualava ao tamanho de uma pequena pedra no meio da poeira. Aos 19, morei perto da praia e acreditem, transformei-me em grão de areia. Então, agora com 21, há quem me pergunte “Você realmente existe?”. Não estou me tornando em nada porque do nada não vim. O nada não existe. Apenas tento viver consciente de que eu e o Universo inteiro somos Um. Desde cedo fui uma leitora voraz e logo fui atraída pelo estudo da ciência e espiritualidade. Lia absolutamente de tudo e foi aí que notei que estava adquirindo uma bagagem intelectual muito grande. Então tomei a decisão de compartilhar (este pouco que sei) com as demais pessoas porque se hoje eu sei algo foi porque alguém compartilhou comigo. No entanto, compartilhar conteúdos e momentos despertaram em mim influenciada por Sócrates, a ideia de que quanto mais eu estudo menos eu sei. Ao longo de alguns anos estudei Administração de empresas, desenvolvi meu talento com a fotografia, me tornei vegetariana pelos animais e hoje curso Psicologia. Meu objetivo através dos textos é promover uma revolução e pasmem, ela já está acontecendo! Há uma revolução silenciosa aparentemente, mas, é porque ela é interior e quero que através de meus textos você procure concentrar sua atenção não para a autora, mas, sim, para si mesmo. Eu sou um ser humano como todos os outros. E você é a pessoa mais importante para você mesmo, por isso, invista em sua saúde mental e espiritual. Valorize a vida que possui olhando através dos olhos da alma e ame! O amor quando é verdadeiro não possui identidade. Ele age onde não há bloqueio. Que entre mim e você, não haja identidade. Apenas Amor.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, escreva seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui